Érika Leme

Título

Formação Cultural e Educação Inclusiva: ampliando horizontes e diminuindo barreiras


Resumo

 

            O projeto de extensão, Formação Cultural e Educação Inclusiva: ampliando horizontes e diminuindo barreiras, tem como parceiro o Centro de Artes – UFF. A proposta se justifica pela premente demanda educacional, social e cultural de se desenvolver práticas inclusivas por parte dos futuros docentes (pedagogos), a fim de contribuir para a superação de pensamentos e de ações estereotipas em relação às diferenças humanas.

            Considerando a formação cultural como possibilidade de desnaturalizar e problematizar criticamente a própria cultura e de enfrentamento da desumanização implantada pelo processo capitalista de produção que negou aos trabalhadores todos os pressupostos para a formação e, acima de tudo, o ócio, propomos a parceria com o Centro de Artes - UFF, a fim de desenvolvermos mediações inclusivas para atender tanto o público-alvo do Centro de Artes como os estudantes do Curso de graduação em Pedagogia matriculados na disciplina de Educação Especial I.

           Essa dinâmica ampliará a percepção de mundo, da vida e, sobretudo, da condição do próprio indivíduo, com vistas a romper com a aridez do espírito. Nessa conjuntura a incursão no Centro de Artes – UFF é de fundamental importância, na medida em que propiciará aos estudantes do curso de Pedagogia da UFF a experiência com a arte e com o público do Centro de Artes – UFF, mais especificamente, os estudantes da Educação Básica das redes pública e/ou privada do município de Niterói.

           Essa interação dialógica propiciará experiências formativas inclusivas, pautadas no diálogo entre as áreas de conhecimento, na construção colaborativa e no desenvolvimento da sensibilização, sendo esses os pressupostos fundamentais à formação do indivíduo. Trata-se, portanto, de um processo de formação que amplia o contato com a cultura em suas diversas manifestações, amplia o leque de experiências, amplia o universo educacional e colabora com o trabalho pedagógico a ser desenvolvido em sala de aula e, consequentemente, amplia a capacidade de relacionar os conhecimentos com a vida, minimizando atitudes preconceituosas, discriminatórias e excludentes.

Palavras-chave: Formação Cultural. Educação Inclusiva. Formação docente.



Tempo de duração: 3 anos (2020, 2021 e 2022). Bolsa PROEX - 2020.

Participantes: Centro de Artes da UFF - CEART/UFF; estudantes de graduação.

Metodologia: 

          O projeto de extensão, Formação Cultural e Educação Inclusiva: ampliando horizontes e diminuindo barreiras, busca fomentar, por meio da reflexão sobre a produção cultural, a sensibilização necessária para que as práticas pedagógicas também sejam transformadas, indo ao encontro da Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva (MEC, 2008), bem como pela Resolução n. 2/2015, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para formação continuada. Portanto, tem como papel relevante na construção do conhecimento pautado na sólida formação teórica e interdisciplinar e interprofissional, na unidade entre teoria e prática, no trabalho coletivo e no compromisso ético e social.

         O desenvolvimento das mediações culturais inclusivas tendem a impulsionar mudanças educacionais, culturais e sociais no que tange ao enfrentamento de preconceitos, segregação e negação das diferenças humanas. Dessa forma, contribuirão para a consolidação dos direitos sociais propalados em nossa Constituição Federal (CRFB, 1988), que versam sobre educação e cultura. 

       Vale destacar que a Educação na perspectiva da Inclusão não reproduz a realidade. Pelo contrário, ela tensiona e busca transformações sociais, políticas, culturais e pedagógicas condizentes à sociedade democrática e inclusiva.  Isso justifica o amplo leque do público-alvo do projeto de extensão, que engloba grupos de alunos da rede pública e/ou privada da educação básica;  como os licenciandos em geral e, mais especificamente, os estudantes do Curso de graduação em Pedagogia envolvidos neste processo. Essa dinâmica busca tecer outros olhares, ampliar a percepção de mundo, da vida e, sobretudo, da condição do próprio indivíduo, com vistas a romper com a aridez do espírito. 

       Nesse sentido, a incursão no Centro de Artes – UFF é de fundamental importância, na medida em que propicia aos estudantes do curso de Pedagogia da UFF a experiência com a arte e com o público do Centro de Artes – UFF. Essa aproximação demandará a construção de um elo institucional pautado no estabelecimento de uma rotina que vai ao encontro da programação anual do Centro de Artes. Contemplando da seguinte maneira à relação interinstitucional :

a)     A presença semanal do bolsista do projeto de extensão, bem como de estudantes extensionistas nas atividades no Centro de Artes – UFF. Tal acompanhamento demandará o desenvolvimento da relação dialógica, interdisciplinar e de interprofissionalidade, tendo em vista que a proposição de promover o processo formativo crítico e sensível, pressupõe-se que o estudante de graduação seja acolhido pelo Centro de Artes- UFF, de modo a participar de reuniões, planejamentos, discussões e criação de mediações para receber alunos da educação básica.

 b)     O processo de formação desenvolvido no Centro de Artes – UFF será objeto de análise, discussão e reflexão dos graduandos do curso de Pedagogia da FEUFF, dos profissionais do CEART e de professores membros do grupo de estudos coordenado pela professora coordenadora do projeto.

c)     A avaliação será processual, sempre iniciada por uma diagnose que tem como objetivo mapear as necessidades e características das demandas existentes, dando subsídios ao planejamento de ações que possibilitem a inclusão de todos os envolvidos. Além disso, toda a rotina será instrumento de avaliação da professora coordenadora do projeto de extensão, como da supervisora do Centro de Artes - UFF por meio de encontros semanais de orientação e acompanhamento das atividades realizadas, bem como do planejamento e do desenvolvimento das mediações culturais inclusivas.

d) Divulgar o trabalho desenvolvido em eventos e periódicos da área da Educação.


Last modified: Monday, 11 November 2019, 10:09 AM